Madre Anastasie

Madre Anastasie
" O essencial é a intimidade com Deus." Madre Anastasie

Quem sou eu

Minha foto
Porto Nacional, Tocantins, Brazil
Esse blog deseja ser um canal de comunicação com as jovens que desejam ingressar na Vida Consagrada Dominicana. Somos a Congregação das Irmãs Dominicanas de Nossa Senhora do Rosário de Monteils, presente no mundo há mais de 160 anos e no Brasil há 127 anos.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Madre Anastasie, nossa mãe e fundadora.

 25.C1
Atenta à palavra do Senhor: "Vai, vende o que possuis, dá-o aos pobres, depois vem e segue-me", seguimos a Cristo, querendo viver a pobreza numa confiança total em Deus. Animada pelo espírito das Bem-aventuranças, esta pobreza cria em nós uma disponibilidade para o serviço do Reino...

Alexandrine Conduché, sobrinha do Padre Gavalda, é a Fundadora da Congregação das Dominicanas de Nossa Senhora do Rosário de Monteils. Tendo nascido em Compeyre, situada nas gargantas do rio Tarn, de uma família pobre e de fé sólida, recebe uma educação escolar precoce e relativamente longa para sua época:"ela era completamente tudo"relatam-nos as crônicas. Aos treze anos, para não permanecer mais tempo a cargo dos seus pais, ela sai de Compeyre para ir para o presbitério do seu tio Artières em Tizac. O padre Artières, consciente das qualidades intelectuais da sua jovem sobrinha, decide abrir uma escola para os iletrados da aldeia da qual ela se torna responsável.
A competência de Alexandrine é logo reconhecida e devemos notar que com um raro bom senso, ela sabe limitar o seu ensinamento às necessidades dos seus alunos. Mas o que a motiva mais ardentemente, é transmitir aos seus alunos "o amor do Senhor Jesus". Nesse primeiro serviço de Igreja, ela compreende a perfeita unidade entre profissão e apostolado.
E Deus interpela-a. E sem reserva, ela responde "Sim".



A sua atração mais intensa era para com uma vida religiosa de tipo contemplativo. No noviciado de Saint Julien d´Empare, dão-lhe o sobrenome de "noviça despreocupada", de tal forma ela é feliz na paz daquele convento.
Mas a fundação de Bor começa... e um outro dos seus tios, o Padre Gavalda, a espera...
Ela "deixa portanto Deus para Deus", tornando-se diretora da nova escola de Bor. Aos dezoito anos, já mestra das noviças e responsável da comunidade que está surgindo.
A PROVAÇÃO
A saída da Irmã São José, primeira priora do convento, ameaça acabar com a fundação.
No ponto mais forte da crise, Irmã Anastasie pensa na paz do noviciado, duvida estar realmente no seu lugar, sonha com o Carmelo. Mas após a dúvida e a grande dificuldade, ela exclama:"Mesmo que eu tenha de ficar sozinha, ficarei": A partir desse dia, Madre Anastasie reconstrói a unidade da comunidade e consegue manter a "doce cordialidade dos espíritos e dos corações". A diversidade das atividades impõe uma vida fraterna muito unida e Madre Anastasie insiste muito sobre a necessidade do trabalho comunitário.
UMA MISSÃO FUNDADA NO AMOR
Muito sensível ao sofrimento, Madre Anastasie não hesitam em enviar desde o início da fundação, Irmãs para visitarem e cuidarem dos doentes após as horas de aulas, às quintas-feiras e aos domingos e por vezes uma irmã é encarregada dos doentes da paróquia, de dia e de noite. As Irmãs aprendem assim a própria linguagem do Evangelho na qual o anúncio da Palavra é sempre acompanhada das palavras e dos gestos de bondade.
Quando Madre Anastasie morre, em 1878, a Congregação já contava com uma centena de irmãs e com 26 casas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário